Riscos Ergonômicos

Estes riscos são contrários às técnicas de ergonomia, que propõem que os ambientes de trabalho se adaptem ao homem, proporcionando bem-estar físico e psicológico.

Os riscos ergonômicos estão ligados também a fatores externos (do ambiente) e internos (do plano emocional), em síntese, quando há disfunção entre o indivíduo e seu posto de trabalho.

Alguns exemplos:

- LER (lesões por esforços repetitivos) / DORT (doenças osteo-musculares relacionadas ao trabalho);

- Peso e postura incompatíveis com o biotipo e tarefa, respectivamente;

- Jornada (duração, ritmo, turno e controle rígido);

- Mobiliário incompatível, ausente ou desnecessário, no trabalho;

- Estresse provocado por causas imediatas ou distantes.

Riscos de acidentes

Os riscos de acidentes ocorrem em função das condições físicas (do ambiente físico e do processo de trabalho) e tecnológicas, impróprias, capazes de provocar lesões à integridade física do trabalhador.

Exemplos:

- Arranjo físico inadequado;

- Piso escorregadio;

- Máquinas e equipamentos sem proteção;

- Ferramentas inadequadas ou defeituosas;

- Iluminação inadequada;

- Ligações elétricas deficientes;

- Armazenamento inadequado;

- Probabilidade de incêndio ou explosão;

- Animais peçonhentos (cobra, aranha, escorpião, barbeiro).